domingo, julho 9

Vamos dormir 'sozinhos'?

Começou uma nova etapa, das grandes! 21 meses depois fazemos a experiência - à séria - de pôr o Martim a dormir sozinho, no seu quartinho. À séria porque fomos fazendo algumas tentativas ao longo destes meses, por vários motivos, mas nunca, em nenhum momento, nos sentimos verdadeiramente preparados para as levar até ao fim. Sentimos sempre que nem ele, nem nós, estávamos dispostos a cortar este cordão umbilical, sim, porque o é e é tão bom que o seja. Não há certos nem errados, há sentimentos e instintos que devem ser respeitados acima de tudo, de qualquer estudo, de qualquer teoria ou de conselho alheio. É no nosso seio que devemos tomar ou não estas decisões (mesmo que por nós não tenha sido propriamente uma tomada de decisão consciente, foi sendo o que fazia mais sentido). É entre pais e filhos que devemos respeitar aquilo que sentimos e os timmings para fazer qualquer tipo de mudança advém desse ímpeto de respeito para connosco mesmos. Porque haveria eu de forçar o meu filho a dormir sozinho se nunca o senti bem com isso? Ele sente-se bem connosco e nós com ele. É simples, assim, não é preciso complicar nem dramatizar. 

No nosso caso, não perdemos absolutamente nada em fazer o chamado co-sleeping, muito pelo contrário! Adormecemos  s e m p r e  juntos. Demos  s e m p r e  as mãos. Fizemos s e m p r e  conchinha. Demos s e m p r e beijinhos e abraços. Rimos s e m p r e antes de adormecer. Brincamos s e m p r e. Acordamos s e m p r e tranquilos e seguros de estarmos todos num ninho perfeito e harmonioso. Nunca vi nada de negativo nisto. Absolutamente nada. Ele cresceu, até aqui, a sentir-se totalmente protegido por nós, qualquer choro, qualquer dor, desconforto, foi sempre apaziguado com o nosso embalo. É um menino feliz, confiante e tranquilo e a hora de dormir sempre foi sinónimo de algo bom [apesar de nada ser perfeito e termos noites iguais a tantas outras famílias]. Mas sentimos agora que é um momento de mudança, não só porque ele está mais crescido, mais consciente de tudo e do Mundo que o rodeia e por isso mais compreensivo [mesmo com as birras normais] e que parece entender cada vez melhor o motivo e a razão de ser das coisas. Tomámos este 'pico' de crescimento - se assim o podemos chamar - como um sinal e aproveitando a onda da total renovação do quartinho dele, começamos a incentivá-lo a dormir sozinho na sua caminha. Com calma, sem pressões nem muito menos pressas. Ainda adormece connosco e só depois o coloco na caminha, mas dorme a noite T O D A. Acorda de manhã a chamar por um de nós, sentado, de olhos fechados e quando chegamos farta-se de rir, é de rir! Antes seria impensável isto acontecer, se ele acordasse no berço dele mesmo estando no nosso quarto, chorava imenso! Sentia-se perdido, desamparado, via-se perfeitamente. Mas agora tem plena noção que apesar de estar a acordar ali sozinho, nós estamos cá e essa segurança e conforto que ele sente é exatamente o que nós queríamos sentir quando tomássemos esta decisão. 

Acredito que a mudança do quarto ajudou muito a esta percepção e aceitação da parte dele. Ele presenciou tudo, desde o desmontar tudo, as obras, as pinturas, as montagens das novas peças, a decoração, etc. Foi vendo e sentindo que aquele era o quarto dele e que estava a ser preparado para ele. Fomos fazendo questão de lho mostrar e explicar que tudo ali era pensado para ele e acompanhar o seu crescimento. O conforto, comodidade e liberdade no espaço eram palavras de ordem. A forma como a estrutura do quarto foi pensada, teve um grande impacto na movimentação do mesmo. Agora existem zonas muito bem definidas, como a zona de vestir, brincar e dormir [mesmo que o quarto não seja muito grande, é possível fazer-se isto]. A zona de dormir dele está neutra, simples e leve. Todo o ambiente influencia a que ele se sinta ainda mais confortável e por isso sem dúvida alguma que o quarto ajuda muito neste processo.

Ainda é tudo muito recente e novidade e como disse anteriormente, sem pressões nem pressas. Se correr bem, se ele se sentir sempre bem e tranquilo, sabemos que estamos a fazer a coisa certa e é este o caminho a seguir. Mas se por algum motivo tal não acontecer, não temos receio nenhum. Volta para ao pé de nós até haver outro momento certo. O nosso ninho estará sempre pronto a recebê-lo, aliás, em jeito de brincadeira o pai diz algumas vezes para eu 'o ir buscar' ehehe, tal não fica a saudade. Já eu.. tenho passado noites em branco, porque também eu preciso de aprender a fazer este 'desmame'. Ajuda muito ele estar a reagir bem, mas é algo que não controlo, como tanta coisa em ser-se mãe... não é mesmo? :)
E a responder à minha própria questão ´Vamos dormir sozinhos?', não, nunca mais, nem queremos. Sozinhos nunca estaremos mais e ainda bem. A nossa cama será sempre dele, sempre que ele a quiser, porque é sinal de amparo, sinónimo de porto seguro.Foi assim que eu cresci a sentir em relação à cama dos meus pais e é assim que quero que se sinta. Pena é ele crescer e deixar de querer estar sempre aninhado a nós. Que o nosso colo lhe seja eterno, aqui ou em qualquer lado!

E por aí, como dormem vocês e os vossos bebés? :)



Bons sonhos! ☆☆☆
  Mafalda 
 Mais em:

Sem comentários:

Enviar um comentário