sábado, julho 29

Deixem o meu filho ser como ele é!

Tem dias que é sorridente, tem outros que não tanto.
Tem dias que quer dar abraços, tem outros que quer fugir deles.
Tem dias que quer dizer olá, tem outros que só quer dizer adeus.
Tem dias que gosta de falar, tem outros que quer silêncio.
Tem dias que aceita a mão, tem outros que não quer que lhe toquem.
Tem dias que brinca muito, tem outros que observa.
Tem dias que é o bebé que querem que sejam, tem outros que é apenas o que ele quer ser.

Não forcem, não comparem, não negativizem, não dramatizem, não simplifiquem factos que não passam de opiniões. Vejam mais além! Amem, acima de tudo e aceitem como eles são e como eles querem ser. Aos olhos dos outros nunca serão o que devem ser e ainda bem! Eu quero que o meu filho seja ele mesmo, que seja feliz na sua pele, esteja feliz, esteja triste, esteja arranjado ou descabelado..

Deixem-no sentir a brisa na pele. Deixem-no andar descalço [só assim sente a verdade que lhe mora debaixo dos pés]. Deixem-no olhar, olhar, olhar, sem fim. Deixem-no aprender por ele [tantas vezes aprendem tão mais assim]. Deixem-no mexer na terra, apanhar pedrinhas, saltar nas poças, mexer na lama. Deixem-no AMAR o mar como só ele sabe, a rebolar nas ondas e afundar-se na areia. Deixem-no cair, seguro de que de seguida lhes vamos apaziguar a queda [nunca estará sozinho, mas aprenderá a levantar-se sabendo sempre que estamos ali]. Deixem-no andar solto, sem caminho, rumo ou destino. Deixem-no mexer nas folhas, cheirá-las, mandá-las ao ar. Deixem-no ouvir os sons da natureza sem interrupções. Deixem-no estar e ser como ele é e amo que seja: livre..




Pé solto . Pé F E L I Z. 
[E deixem-me a mim, ser a mãe que eu SOU para ele com a mesma liberdade]


 Mafalda 
 Mais em:

quinta-feira, julho 13

O quartinho do M ★ Cantinho Montessoriano

Este espaço que ficou 'em branco' depois da remodelação do quarto, foi imediatamente pensado com a finalidade de ser um cantinho montessoriano. Na teoria, quase todo o quarto está ao seu nível e com objetos ao seu alcance [a cama não por outros motivos que explicarei noutro post], mas como a mesinha de brincar com as duas cadeira IKEA, a cadeira elefante com luz LED, a tepee que é um refúgio perfeito para as leituras ou sessões de cócegas, o roupeiro que tem incluída uma seção só com os brinquedos todos dele e até a estrutura da cama que tem umas gavetas onde ele adora ir buscar as fraldas, as meias e alguns 'brinquedos', que não são propriamente OS brinquedos mas são os que eles mais gostam! Os que eu chamo de 'tarecos', um bocadinho de tudo, as primeiras chuchas e porta-chuchas, os cartões de parabéns, os postais, os óculos de brincar, o mealheiro, as bolinhas de sabão, etc etc..
No entanto, em toda essa zona existe a forte presença do papel de parede (que é absolutamente encantador e super didático - falaremos disso mais para a frente! :) ), mas que se traduz numa grande quantidade de informação e por isso sentimos necessidade de lhe criar um espaço mais neutro, com o menor 'ruído' possível. Um espacinho onde ele se sentasse no chão, observasse e pudesse criar ou estar livremente. Sem muita cor, nem formas nem feitios. Onde tem os livros e os instrumentos musicais ao seu alcance e onde pode dar asas à sua imaginação e criatividade. É um recanto de amor, de liberdade e paz. Gosto que o quarto tenha zonas muito bem definidas e que em cada uma delas ele sinta prazer em estar. Esta é sem dúvida uma parte muito especial. 

Aproveitamos a própria estrutura da cama/berço que tem na sua lateral umas prateleiras que 'afundam' e que são perfeitas para criar aquela sensação de esconderijo num espaço tão simples como este. É nada mais nada menos, que o recanto da janela, o que ajuda ainda mais a criar o espaço mais agradável, com o sol a bater no chão e o quentinho a confortar-lhe nas suas brincadeiras.
Posso dizer que o elemento chave e que fez toda a diferença aqui, foi sem dúvida alguma os espelhos. Para além de dar uma maior amplitude, o Martim a d o r a ver-se ao espelho! Ri-se, faz macacadas, aponta para as partes do corpo, observa-se, observa-se a brincar, a montar, a ler, a mexer, a explorar.. É maravilho de se ver! :)

Mas acima de tudo a ideia aqui é ele estar, simplesmente estar. A fazer o que quiser, ou a não a fazer nada. Mais simples que isso não há. Dar-lhe essa liberdade de se ouvir a ele próprio, aos seus desejos e vontades e se quiser, agarrar na viola e tocar um pouco, ou abrir um livro e ver as imagens e sentir a sua textura. OlHAR-SE, ouvir-se, conhecer-se, para mim é esta a essência desta teoria e desta prática montessoriana. Proporcionar-lhes espaços que lhes permitam isso, especialmente no quartinho deles, que é onde vão crescer, onde vão sonhar, divagar, idealizar e onde vão guardar as maiores memórias de vida!

Um cantinho que nasceu muito espontaneamente, mas que traz uma leveza óptima para este quartinho do M. E o que eu adoro estar aqui sentada com ele? A observá-lo?


Mais ideias para incluirmos neste cantinho? :)

A pista ainda está em montagens ahaha .. a mãe ainda não chegou lá!
Pequeno, mas com muito valor
Vista da teepee
Viola FRAGOSA , Linda!
Pista de madeira IKEA
Espelhos IKEA
Cucu! ahaha
Adora vir dar abraços e beijinhos aos peluches!

Em montagem.. ♥ Super concentrado! :)


  Mafalda 
 Mais em:

domingo, julho 9

Vamos dormir 'sozinhos'?

Começou uma nova etapa, das grandes! 21 meses depois fazemos a experiência - à séria - de pôr o Martim a dormir sozinho, no seu quartinho. À séria porque fomos fazendo algumas tentativas ao longo destes meses, por vários motivos, mas nunca, em nenhum momento, nos sentimos verdadeiramente preparados para as levar até ao fim. Sentimos sempre que nem ele, nem nós, estávamos dispostos a cortar este cordão umbilical, sim, porque o é e é tão bom que o seja. Não há certos nem errados, há sentimentos e instintos que devem ser respeitados acima de tudo, de qualquer estudo, de qualquer teoria ou de conselho alheio. É no nosso seio que devemos tomar ou não estas decisões (mesmo que por nós não tenha sido propriamente uma tomada de decisão consciente, foi sendo o que fazia mais sentido). É entre pais e filhos que devemos respeitar aquilo que sentimos e os timmings para fazer qualquer tipo de mudança advém desse ímpeto de respeito para connosco mesmos. Porque haveria eu de forçar o meu filho a dormir sozinho se nunca o senti bem com isso? Ele sente-se bem connosco e nós com ele. É simples, assim, não é preciso complicar nem dramatizar. 

No nosso caso, não perdemos absolutamente nada em fazer o chamado co-sleeping, muito pelo contrário! Adormecemos  s e m p r e  juntos. Demos  s e m p r e  as mãos. Fizemos s e m p r e  conchinha. Demos s e m p r e beijinhos e abraços. Rimos s e m p r e antes de adormecer. Brincamos s e m p r e. Acordamos s e m p r e tranquilos e seguros de estarmos todos num ninho perfeito e harmonioso. Nunca vi nada de negativo nisto. Absolutamente nada. Ele cresceu, até aqui, a sentir-se totalmente protegido por nós, qualquer choro, qualquer dor, desconforto, foi sempre apaziguado com o nosso embalo. É um menino feliz, confiante e tranquilo e a hora de dormir sempre foi sinónimo de algo bom [apesar de nada ser perfeito e termos noites iguais a tantas outras famílias]. Mas sentimos agora que é um momento de mudança, não só porque ele está mais crescido, mais consciente de tudo e do Mundo que o rodeia e por isso mais compreensivo [mesmo com as birras normais] e que parece entender cada vez melhor o motivo e a razão de ser das coisas. Tomámos este 'pico' de crescimento - se assim o podemos chamar - como um sinal e aproveitando a onda da total renovação do quartinho dele, começamos a incentivá-lo a dormir sozinho na sua caminha. Com calma, sem pressões nem muito menos pressas. Ainda adormece connosco e só depois o coloco na caminha, mas dorme a noite T O D A. Acorda de manhã a chamar por um de nós, sentado, de olhos fechados e quando chegamos farta-se de rir, é de rir! Antes seria impensável isto acontecer, se ele acordasse no berço dele mesmo estando no nosso quarto, chorava imenso! Sentia-se perdido, desamparado, via-se perfeitamente. Mas agora tem plena noção que apesar de estar a acordar ali sozinho, nós estamos cá e essa segurança e conforto que ele sente é exatamente o que nós queríamos sentir quando tomássemos esta decisão. 

Acredito que a mudança do quarto ajudou muito a esta percepção e aceitação da parte dele. Ele presenciou tudo, desde o desmontar tudo, as obras, as pinturas, as montagens das novas peças, a decoração, etc. Foi vendo e sentindo que aquele era o quarto dele e que estava a ser preparado para ele. Fomos fazendo questão de lho mostrar e explicar que tudo ali era pensado para ele e acompanhar o seu crescimento. O conforto, comodidade e liberdade no espaço eram palavras de ordem. A forma como a estrutura do quarto foi pensada, teve um grande impacto na movimentação do mesmo. Agora existem zonas muito bem definidas, como a zona de vestir, brincar e dormir [mesmo que o quarto não seja muito grande, é possível fazer-se isto]. A zona de dormir dele está neutra, simples e leve. Todo o ambiente influencia a que ele se sinta ainda mais confortável e por isso sem dúvida alguma que o quarto ajuda muito neste processo.

Ainda é tudo muito recente e novidade e como disse anteriormente, sem pressões nem pressas. Se correr bem, se ele se sentir sempre bem e tranquilo, sabemos que estamos a fazer a coisa certa e é este o caminho a seguir. Mas se por algum motivo tal não acontecer, não temos receio nenhum. Volta para ao pé de nós até haver outro momento certo. O nosso ninho estará sempre pronto a recebê-lo, aliás, em jeito de brincadeira o pai diz algumas vezes para eu 'o ir buscar' ehehe, tal não fica a saudade. Já eu.. tenho passado noites em branco, porque também eu preciso de aprender a fazer este 'desmame'. Ajuda muito ele estar a reagir bem, mas é algo que não controlo, como tanta coisa em ser-se mãe... não é mesmo? :)
E a responder à minha própria questão ´Vamos dormir sozinhos?', não, nunca mais, nem queremos. Sozinhos nunca estaremos mais e ainda bem. A nossa cama será sempre dele, sempre que ele a quiser, porque é sinal de amparo, sinónimo de porto seguro.Foi assim que eu cresci a sentir em relação à cama dos meus pais e é assim que quero que se sinta. Pena é ele crescer e deixar de querer estar sempre aninhado a nós. Que o nosso colo lhe seja eterno, aqui ou em qualquer lado!

E por aí, como dormem vocês e os vossos bebés? :)



Bons sonhos! ☆☆☆
  Mafalda 
 Mais em: